Contraponto Editora
Product ID: 745208287
Product SKU: 745208287
New In stock />
 O Pluralismo coerente da química moderna

 O Pluralismo coerente da química moderna

FRETE GRÁTIS

Marca:  Contraponto Editora Referência:  9788578660147


Por:
R$ 65,80

ou 12x de R$ 6,79 com juros Cartão Hiper - Vindi
Simulador de Frete
- Calcular frete
Gaston Bachelard (1884-1962) dispensa apresentações. É o pai da epistemologia contemporânea. Dele, a Contraponto já publicou ?A formação do espírito científico?, sua reconhecida obra-prima, ?Ensaio sobre o conhecimento aproximado?, sua tese de doutoramento, ?A experiência do espaço na física contemporânea?, sobre a mecânica quântica, e ?Estudos?, quatro artigos fundamentais reunidos por Georges Canguilhem. Dando prosseguimento à publicação de todas as obras epistemológicas do mestre, químico de formação, entregamos ao público leitor de língua portuguesa este ?O pluralismo coerente da química moderna?, de espantosa erudição.


_x000D_     ?Não é exatamente uma história da química?, diz Bachelard. ?Corresponde mais a um ensaio de filosofia química.? Tem razão. Todos os argumentos se baseiam em fatos históricos, mas a tese central é de natureza filosófica: a química se desenvolve oscilando permanentemente entre o pluralismo e a redução da pluralidade. Multiplica as substâncias, mas sempre busca um princípio de coerência entre elas.


_x000D_     Bachelard começa ressaltando a diversidade dos fenômenos químicos, para em seguida mostrar como, pouco a pouco, se estabelece ordem nas observações. As classificações se tornam cada vez mais racionais: ?Introduz-se sempre mais pensamento na experiência, sempre mais luz racional no empirismo.? Nisso, Mendeleev é a principal referência: ?Se os Lavoisier e os Dalton ajudaram a distinguir os elementos químicos, destacando suas características qualitativas e ponderais singulares, Mendeleev entreviu uma doutrina geral das qualidades particulares e preparou a harmonia das substâncias.?


_x000D_     A química matemática prosseguiu o trabalho. ?Em breve?, diz profeticamente Bachelard, ?será pela filosofia da matemática que se deverá abordar a filosofia da química. Encontrar-se-ão razões de conveniência matemática para explicar a afinidade das substâncias. [...] A matemática moderna é tanto a ciência da ordem quanto a ciência do número. Precisamente por isso, ela pode estudar os problemas de combinações, de arranjos, de grupos. [...] O filósofo pode resumir essa tendência da química matemática em um único enunciado: a qualidade se ordena.?


_x000D_     O dado experimental conduz à ideia de diversidade, enquanto a regra unifica. Em seguida, a variedade se recompõe pela descoberta dos aspectos particulares, das exceções, dos detalhes. Assim, o pensamento filosófico e científico se move numa dialética que vai do diverso ao uniforme e do uniforme ao diverso. Diante dessa contínua reviravolta, é perda de tempo, diz Bachelard, propor um problema de origem: pouco importa que o conhecimento comece pela percepção do diverso ou pela constituição do idêntico, pois ele não se detém nem no diverso nem no idêntico.


_x000D_                         César Benjamin


_x000D_ ?Aí está toda a filosofia de um empirismo ativo, bem diferente da filosofia do empirismo imediato e passivo que toma a experiência de observação como juiz. A experiência já não profere julgamentos sem apelo; enquanto ela se recusar a sancionar a nossa expectativa, apelamos para uma nova experiência. A experiência já não é um ponto de partida, nem mesmo um simples guia; é um objetivo. [...] Como não ver que é o abstrato que prolifera na teoria química moderna? Como não reconhecer o privilégio do vínculo matemático para coordenar uma imensa área de experiências??


_x000D_                         Gaston Bachelard_x000D_

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

    Confira os produtos